Número total de visualizações de página

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

VEM AÍ O MIBE
(MÊS INTERNACIONAL DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES)
Why I Love My School Library é o tema do MIBE- Mês Internacional das Bibliotecas Escolares que se comemora em outubro de 2018.

Um tema que, segundo a IASL, se enquadra no objetivo deste ano de análise aos impactos da biblioteca escolar.

Porque amo a minha biblioteca escolar?

Outubro será um bom momento para pensar nas nossas bibliotecas e nos nossos utilizadores.

Porque é que gostamos das nossas bibliotecas escolares?


- DINÂMICAS SUSTENTÁVEIS 
E INTEGRADORAS -



BIBLIOTECA ESCOLAR 
DE  ALVALADE
         BIBLIOTECA ESCOLAR 
DE  ERMIDAS

Equipa das BE's

Fazem parte da Equipa da Biblioteca Escolar os seguintes elementos:
Nome
Função
Antónia Lança
Professora Bibliotecária e Coordenadora da Biblioteca Escolar
Artur Campos
Membro da Equipa
Miguel Almeida
Membro da Equipa
Maria Isabel Coelho
Membro da Equipa
Raquel Cordeiro
Membro da Equipa
Celeste Lança
Assistente Operacional

ESTAMOS À VOSSA ESPERA!
CONTAMOS CONVOSCO PORQUE...
      
"Ler é um prazer. Mas só para alguns. Para quem cresceu entre livros, por exemplo, e conquistou, a cada página lida, o gosto pela leitura. Ao mesmo tempo, descobriu que cada livro guarda dentro outros mundos, outras pessoas, outros lugares, outros tempos, outras memórias, outras formas de ser, de estar, de sentir, de comunicar, de rir... E essa descoberta, intimamente ligada à preservação da capacidade de espanto que caracteriza a infância, terá sempre alimentado a vontade de continuar a ler. Por prazer, não por obrigação.
Não é muito diferente do que acontece com outras atividades que preenchem o nosso quotidiano, como comer ou fazer exercício físico. Comer pode ser um prazer, para quem desde cedo aprendeu a distinguir o sabor dos alimentos; fazer exercício físico também pode ser um prazer, para quem cresceu a fazer cambalhotas e pinos, a jogar à bola e a correr atrás dos amigos. É certo que todas estas atividades, sendo à partida naturais, implicam depois uma decisão e uma prática. No caso da leitura, essa decisão e essa prática dependem, muitas vezes, de quem nos rodeia: das famílias, dos amigos, dos professores... Se quem nos rodeia tiver a capacidade de nos contaminar com boas leituras, leituras que alimentem a nossa curiosidade e estimulem a nossa imaginação, de certeza que cresceremos leitores.
É também esse o momento em que se torna fundamental o papel do Plano Nacional de Leitura, fornecendo coordenadas para que a leitura se torne um prazer, isto é, sugerindo livros capazes de entusiasmar não apenas os que já são leitores, como aqueles que ainda não são. Funciona como um mapa, útil em qualquer viagem, sobretudo em viagens por territórios desconhecidos, e pode ser usado para orientar leitores de todas as gerações. Assim como para dar pistas para que as famílias e os professores saibam o que partilhar com os leitores mais novos, e até entre si.
Essa troca — de professores com alunos, de famílias com professores, de pais com filhos — é essencial para formar leitores e para, no meio das dezenas de livros que são diariamente publicados em Portugal, distinguir os melhores. Só deste modo será possível criar uma rede em que os livros, escolhidos por especialistas, possam circular pelas mãos dos leitores, os que já o são e os que se tornarão. A leitura implica essa prática. E essa conquista".

Dra. Teresa Calçada (Comissária do Plano Nacional de Leitura 2027)
COMEÇOU O ANO LETIVO!

"Sonhar é encontrarmo-nos. Vais ser o Colombo da tua alma. Vais buscar as suas paisagens. Cuida bem pois em que o teu rumo seja certo e não possam errar os teus instrumentos.

A arte de sonhar é difícil porque é uma arte de passividade, onde o que é de esforço é na concentração da ausência de esforço. A arte de dormir se a houvesse, deveria ser de qualquer forma parecida com esta.

Repara bem: a arte de sonhar não é a arte de orientar os sonhos. Orientar é agir. O sonhador verdadeiro entrega-se a si próprio, deixa-se possuir por si próprio".

Bernardo Soares, Livro do desassossego, 2ª edição, Europa América, 1986