Número total de visualizações de página

segunda-feira, 13 de julho de 2020



Neste período atípico,

NÃO SÃO OS FORTES QUE SOBREVIVEM, 
MAS SIM OS QUE SE ADAPTAM!
Darwin


ENTÃO...


SUGESTÕES DE LEITURA PARA FÉRIAS 

Fazemos nossas as palavras da mediadora de leitura, Paula Cusati


Caros Pais e Alunos, 

Neste ano letivo tão atípico, estive na vossa escola, em colaboração com a Direção do Agrupamento e a Biblioteca Escolar, para desenvolver o projeto VER, LER, DESCOBRIR, ESCREVER: UM ANO INTEIRO A PROMOVER A LEITURA E A ESCRITA, com sessões de histórias, formação para pais, formação para professores e oficinas de leitura e escrita. Infelizmente, a Covid-19 veio interromper o nosso trabalho, mas fica a promessa de que regressarei no próximo ano letivo, para continuarmos tudo o que tínhamos começado. Até lá deixo-vos algumas sugestões de bons livros para o 1º, 2º e 3º Ciclo do Ensino Básico, para não deixar enferrujar o músculo da leitura e da escrita durante as férias de verão
Um abraço, Paula Cusati

1º Ciclo
 2º Ciclo
 3º Ciclo

VER, LER, DESCOBRIR, ESCREVER
UM ANO INTEIRO A PROMOVER A LEITURA E A ESCRITA

Boa Prática/Atividade TOP

 Sessão de leitura partilhada através do 
Google Classroom/Google Meet

"Aquele que deveria ser um ano inteiro a promover a leitura e a escrita no Agrupamento de Escolas Professor Arménio Lança, acabou por ser interrompido devido à Covid-19. De outubro de 2019 a março de 2020 dinamizei, em articulação permanente com a Biblioteca Escolar, sessões de histórias, formação para pais, formação para professores e oficinas de leitura e escrita. Muito deste trabalho ficou pendente. Realizei o balanço do trabalho feito e comprometi-me a regressar no próximo ano letivo, para continuarmos tudo o que tínhamos começado. Porém, em conversa telefónica, a professora Antónia Lança, coordenadora das Bibliotecas Escolares do AEPAL, lançou-me o desafio de um encontro/sessão online para concluir o trabalho deste ano. A Professora Teresa Duarte, diretora de turma do 5º B (com quem eu tinha feito duas sessões da Oficina de Leitura e Escrita), acolheu imediatamente a ideia e a sessão ficou marcada para o dia 24 de junho, às 16h, através da plataforma Google Classroom/Meet. À hora marcada, cada um em sua casa, lá nos encontrámos através dos ecrãs dos nossos computadores. Recebeu-me a professora Teresa Duarte, na sua aula de cidadania e desenvolvimento, na companhia da professora Antónia Lança (coordenadora das Bibliotecas Escolares). Aos poucos chegaram os alunos, surpreendidos por me verem de novo após vários meses de ausência. Conversámos acerca do ensino à distância e das saudades de estarmos juntos. 
Depois partilhámos leituras. Li-lhes o livro Olá, Farol!, Sophie Blackall, ed. fábula. 
Tal como fizéramos nas Oficinas de Leitura e Escrita, dialogámos sobre o lido, voltámos atrás, relemos, prestámos atenção às pistas da ilustração, deixámos no ar perguntas. 

No fim, deixei mais 3 sugestões de leituras para as férias de verão, para não deixar enferrujar o músculo da leitura e da escrita: Plasticus Maritimus: uma espécie invasora, de Ana Pêgo, Bernardo P. Carvalho e Isabel Minhós Martins, ed. Planeta Tangerina. Robot Selvagem, de Peter Brown, ed. fábula. O Louco Verão dos Mumins, de Tove Jansson, ed. Relógio d’Água. Foi uma bonita forma de, simbolicamente, concluirmos o trabalho começado este ano com os 3 ciclos de ensino e que retomaremos, esperançosos, no próximo ano letivo."
Paula Cusati

Esta e-atividade, realizada com a articulação entre a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento e a Biblioteca Escolar, não só reiterou a apologia/promoção do livro e da leitura, mas também fomentou os afetos entre a “família” discentes/docentes/mediadora de leitura, alargando (certamente) competências de todos os participantes.

quinta-feira, 18 de junho de 2020


EM TEMPO DE PANDEMIA, 
AS BE'S RELEMBRAM A CULTURA PORTUGUESA!







PRESIDENTE DA REPÚBLICA
" O Presidente da República é o Chefe do Estado. 
A primeira figura institucional do panorama político nacional, com a responsabilidade de representar juridicamente Portugal no plano internacional."

in Joaquim Ramos, Português Institucional e Comunitário, Universidade Carlos IV, Praga, 2010 (Adaptado)
MARCELO REBELO DE SOUSA

in site da Presidência da República Portuguesa

Professor catedrático de Direito, jornalista e comentador político, exercia a função de docente e presidente do Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

"Quem sabe nunca esquece!"


terça-feira, 9 de junho de 2020


Notícias


Talvez o livro português mais conhecido... 

Saiba mais em
RTP Ensina




O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas (espalhadas pelo Mundo), celebrado a 10 de junho, assinala o dia da morte do poeta Luís Vaz de Camões, génio da literatura reconhecido mundialmente pela sua obra "Os Lusíadas".

Este é também o dia dedicado ao Santo Anjo da Guarda de Portugal, protetor do país.



quinta-feira, 4 de junho de 2020

Caminhe 
sem prejudicar o PLANETA!


Celebra o DIA MUNDIAL DO AMBIENTE 
com criatividade!

Com os 4R's
dá largas à tua imaginação!


Ficam aqui algumas sugestões
Reservados Direitos de Autor
Reservados Direitos de Autor
in https://www.slideshare.net/lunaluhan/



Como surgiu o Dia Mundial do MEIO AMBIENTE?

Este dia foi criado com o objetivo de sensibilizar a população mundial a implementar práticas que ajudem a preservar o nosso meio ambiente. Continua a ler para ficares a saber mais sobre este dia.

O Dia Mundial do Meio Ambiente foi criado no dia 5 de Junho de 1972, durante a Conferência de Estocolmo. Foi a primeira vez que se organizou uma Conferência das Nações Unidas para falar sobre o meio ambiente.

Este encontro teve como principal objetivo sensibilizar os países e a população em geral, de modo a alterar a forma como vemos e tratamos as questões ambientais, estabelecendo princípios para orientar a política ambiental em todo o planeta.
O que é que podemos fazer para ajudar a preservar o meio ambiente?

Sozinhos não conseguimos salvar o planeta, mas se todos fizermos pequenos gestos que ajudam a preservar o meio ambiente, já estamos a contribuir para que a Terra seja um melhor planeta para as futuras gerações.

Aqui ficam algumas sugestões:
  • Preservar as matas, pois nas épocas de maior calor são afetadas pelos fogos. É importante ter cuidado, especialmente nessa altura, de não fazer queimadas e manter as matas limpas.
  • Cuidar dos rios, lagos e mar, tendo o cuidado de nunca deitar lixo nestes locais.
  • Cuidar dos animais, das plantas e dos jardins.
  • Nunca pescar em épocas de reprodução e ter o cuidado de pescar apenas a quantidade permitida. É importante também não realizar caça ilegal.
  • Proteger os animais selvagens e as espécies em vias de extinção.
  • Nunca deitar lixo no chão e sempre que for possível reciclar, reutilizar e reaproveitar.
  • Quando fores à praia, não deixes lixo. Podes ajudar a mantê-la limpa deitando fora algum do lixo que lá foi deixado.
  • Reduzir o consumo de água utilizando métodos como diminuir o tempo do banho e armazenar a água da chuva, reaproveitando-a para regar as plantas.
  • Evitar o consumo excessivo de eletricidade, desligando sempre os aparelhos elétricos que não estejas a utilizar e desligar as luzes das divisões da casa em que não esteja ninguém.

segunda-feira, 1 de junho de 2020



in https://jf-riodemouro.pt/campanha-mes-de-abril-movimento-laco-azul/

Em E@D, a nossa comunidade educativa não quis deixar de assinalar a importância deste dia, valorizando os direitos da Criança.

DIA DA CRIANÇA
1 de junho


Os alunos das turmas 7.ºA e 8.ºA, cúmplices com a natureza simbólica deste dia, associaram-se à sua comemoração, realizando trabalhos práticos em Cidadania e Desenvolvimento, com a supervisão do professor Miguel Almeida.

Ficam aqui alguns desses trabalhos:



quinta-feira, 28 de maio de 2020


As Bibliotecas Escolares desejam a todas as crianças um dia recheado de alegria, polvilhado, se possível, com os pozinhos mágicos de um bom livrinho!



BOAS LEITURAS!
EM QUALQUER FORMATO!






A Declaração Universal dos Direitos das Crianças
  1. Todas as crianças têm o direito à vida e à liberdade.
  2. Todas as crianças devem ser protegidas da violência doméstica.
  3. Todas as crianças são iguais e têm os mesmos direitos, não importa a sua cor, sexo, religião, origem social ou nacionalidade.
  4. Todas as crianças devem ser protegidas pela família e pela sociedade.
  5. Todas as crianças têm direito a um nome e nacionalidade.
  6. Todas as crianças têm direito a alimentação e ao atendimento médico.
  7. As crianças portadoras de dificuldades especiais, físicas ou mentais, têm o direito a educação e cuidados especiais.
  8. Todas as crianças têm direito ao amor e à compreensão dos pais e da sociedade.
  9. Todas as crianças têm direito à educação.
  10. Todas as crianças têm direito de não serem violentadas verbalmente ou serem agredidas pela sociedade.


DIA FESTIVO!

                                                 Kamilla Stati

1 DE JUNHO

Em Portugal, o Dia Mundial da Criança celebra-se todos os anos a 1 de Junho.

Este Dia foi criado em 1950, alguns anos após o fim da II Guerra Mundial, para sensibilizar a comunidade internacional para os problemas que atingiam tantas crianças no mundo. Num panorama flagelado, em termos sociais e humanitários, a Federação Democrática Internacional das Mulheres e a ONU quiseram defender as crianças dessa destruição.

No entanto, ainda hoje estão por cumprir tantos dos princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança. A Unicef revelou que há 30 milhões de crianças em extrema dificuldade, nos países ditos desenvolvidos.

Este é um dia que fará todo o sentido lembrar enquanto existirem no mundo crianças a quem são negados os cuidados mais básicos – amor, saúde e segurança. Podemos mimar os nossos, sempre, ensinar-lhes quais os seus direitos, e consciencializar assim os adultos do futuro sobre a importância dos sentimentos, das boas ações e da ajuda ao próximo.

                              
         in pumpkin.pt



segunda-feira, 25 de maio de 2020



22 de maio
Dia do Autor Português



Neste dia todos os autores portugueses estão de parabéns!

Foi com o propósito de homenagear o autor português e destacar a sua importância no desenvolvimento da cultura e do bem-estar da comunidade que se criou esta data em 1982. Este dia assinala igualmente o aniversário da Sociedade Portuguesa de Autores.

Para celebrar a efeméride realizam-se várias atividades no país, com destaque para o encontro com os autores portugueses e as iniciativas de promoção e incentivo à leitura realizadas nas bibliotecas escolares.

Todos são convidados a recordar os grandes autores portugueses neste dia ou a conhecer novos autores, desde os talentos emergentes na cena nacional aos talentos mais anónimos!


in Calendarr 

Em jeito de homenagem a todos os autores portugueses (e porque LER é bom!), aqui fica este poema: 



quinta-feira, 21 de maio de 2020


O dia visa alertar a população para a necessidade e importância da conservação da diversidade biológica.

Este Dia Internacional da Biodiversidade foi proclamado pelas Nações Unidas a 22 de maio porque foi nesta data (22 de maio de 1992) que se adotou o texto final da Convenção da Diversidade Biológica.

Todos os anos o Dia Internacional da Biodiversidade celebra-se à volta de um tema. O tema de 2020 é "Nossas soluções estão na natureza".
“A biodiversidade, seja uma espécie ou todo um ecossistema, é vital para a saúde e o bem-estar dos seres humanos. A qualidade da água que bebemos, os alimentos que consumimos e o ar que respiramos dependem da boa saúde da natureza.”
(https://unric.org/pt)

Necessitamos de ecossistemas saudáveis! 

Os ecossistemas do mundo enfrentam ameaças 

sem precedentes! 

Um relatório bastante assertivo da Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre a Biodiversidade e os Serviços dos Ecossistemas revela que a natureza está a desparecer a um ritmo nunca visto na história da humanidade. Desde 1990, a Terra perdeu 28,7 milhões de hectares de florestas que ajudam a absorver as emissões nocivas de dióxido de carbono da atmosfera. Um milhão de espécies de plantas e animais estão em risco de extinção e mais de 90% da população de peixes marinhos estão em declínio ou são excessivamente explorados.
“Os impactos nas pessoas em todo o mundo serão graves. Segundo as previsões, as atuais tendências negativas da biodiversidade e dos ecossistemas minarão o progresso até 80% das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Nós simplesmente não podemos permitir que isso aconteça.” (https://unric.org/pt)

O Dia Internacional deste ano destaca o impacto da negligência ambiental na segurança alimentar e a saúde pública. O atual sistema alimentar do mundo está cada vez mais deteriorado. Milhares de milhões de pessoas não têm acesso a uma nutrição adequada. Aproximadamente um terço do que é produzido é perdido ou desperdiçado. A forma como crescemos, processamos, transportamos, consumimos e desperdiçamos alimentos é a principal causa da perda de biodiversidade, contribuindo, simultaneamente, para as alterações climáticas.

Precisamos agir rapidamente para reverter essas tendências e promover mudanças transformadoras. Existem soluções!

Ao interromper as práticas prejudiciais ao meio ambiente, ao diversificar os nossos sistemas alimentares e ao promover padrões mais sustentáveis de produção e consumo, podemos melhorar a saúde global, aumentar a segurança alimentar e fortalecer a resiliência às alterações climáticas.

A biodiversidade é a base da vida no planeta Terra e um dos pilares do desenvolvimento sustentável. A riqueza e variedade de vida tornam possível o “fornecimento de serviços” dos quais dependemos, como por exemplo a água potável que bebemos, o ar que respiramos, e o alimento, entre muitos outros.
20 de maio
DIA EUROPEU DO MAR

Sendo o nosso Agrupamento uma
não quisemos deixar de nos associar a esta comemoração.


20 de maio
DIA DA ABELHA
A Organização das Nações Unidas designou o dia 20 de maio como o Dia Mundial da Abelha, para reconhecer e celebrar a contribuição individual das abelhas no planeta e na sociedade.

A data coincide com o aniversário de Anton Jansa, pioneiro em técnicas modernas de apicultura que, no século XVIII, na Eslovénia, evidenciou a capacidade de trabalho das abelhas.

Atualmente, as espécies de abelha estão sob risco de extinção de 100 a mil vezes mais alto que o normal por causa do impacto humano.

Esta iniciativa, que teve início em 2018 e que tem por objetivo sensibilizar a população para o papel essencial das abelhas e dos outros polinizadores, na saúde humana e no planeta, bem como para os muitos desafios e ameaças que estas espécies têm de enfrentar.


O tema do ano 2020 é “Compromisso com as abelhas”, com especial realce na produção apícola e boas práticas adotadas pelos apicultores em todo o mundo para apoiar o seu meio de subsistência e oferecer produtos de alta qualidade.

A proteção da sanidade apícola também é assegurada pela DGAV através do Programa sanitário anual e o Plano Integrado de Controlo Oficial de Apiários (PICOA) que consiste na realização de controlos oficiais a apiários no território nacional continental com comunicação de resultados e recomendações aos apicultores.

Do ponto de vista de ameaças às abelhas e à apicultura, realçam-se as catástrofes naturais (incêndios) e o risco de introdução de novas doenças das abelhas.

Incêndios 
Como catástrofes naturais mais recentes, a ocorrência de incêndios em junho no verão e outono do ano passado apresentaram grande impacto a nível local, com perdas de milhares de colónias e sobretudo com perda de alimento para as colónias sobreviventes.

O Governo tomou então medidas de mitigação do efeito dos incêndios florestais no setor apícola, como a distribuição de várias toneladas de açúcar aos apicultores para alimentação das abelhas, através das organizações do setor.

Doenças das abelhas 
A varroose é uma doença endémica em Portugal (e na maior parte da Europa) e continua a ser o principal problema sanitário do efetivo apícola nacional.

A Comissão Europeia considera que o aparecimento das outras doenças das abelhas surge devido à fragilidade das colmeias causada pela varroose, pelo que é primordial o controlo desta doença.

No contexto de uma estratégia sanitária de acordo com os princípios estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal, pela Comissão Europeia e pela legislação nacional, a DGAV elaborou o “Plano de luta contra a varroose” , com o objetivo de constituir uma ferramenta de apoio para os apicultores e as suas organizações na luta contra a varroose no território nacional.

O Plano apresenta recomendações específicas de medidas de cariz higieno-sanitário, com principal enfoque numa correta utilização de medicamentos para o tratamento da doença, estando atualmente autorizados pela DGAV um total de 14 medicamentos para tratamento.

Risco de novas doenças 
A presença em Itália desde 2014 de uma nova doença de abelhas, Aetinose por Aethina tumida, constitui uma ameaça para a apicultura nacional. As infestações provocadas por Aethina tumida são muito agressivas e incontroláveis levando muitas vezes à destruição das colónias e ao desaparecimento das abelhas. Até à data, Itália ainda não conseguiu controlar a presença desta doença no país, com milhares de colmeias já destruídas, pelo que está atualmente proibida a expedição de abelhas a partir das regiões afetadas de Itália.

As preocupações dos apicultores com a presença de Aethina tumida em Itália são amplamente partilhadas pela DGAV, que considera que a Comissão Europeia está a tomar as diligências possíveis para proteção do efetivo apícola dos restantes Estados Membros, através de medidas legislativas (decisões comunitárias) que determinam a proibição de certificação para exportação de abelhas de regiões afetadas de Itália, bem como em pedidos de reforço da vigilância de todas as entradas de abelhas, dentro da União Europeia e provenientes de Países Terceiros, de modo a evitar a disseminação da doença por outros Estados Membros.

Face a esta nova ameaça para a apicultura portuguesa, a DGAV tem mantido o estado de alerta através do reforço das medidas de vigilância face à possibilidade de entrada da doença no território nacional, e tem promovido a divulgação de informação sobre a doença e sobre as medidas de salvaguarda para evitar a sua introdução em Portugal.

Como ajudar: 
· Plantar diversidade de espécies nativas que floresçam em diferentes estações;
· Comprar mel natural de produtores locais;
· Adquirir produtos de fontes e produtores sustentáveis;
· Evitar pesticidas, herbicidas e outros produtos nocivos em nosso jardim;
· Proteger as colónias de abelhas; sempre que possível adotar uma criação;
· Conservar uma fonte de água para as abelhas ao deixar uma bacia com água do lado de fora;
· Ajudar os ecossistemas florestais;
· Aumentar a conscientização sobre o compartilhamento de informações entre nossas comunidades e redes.


A redução das abelhas afeta todos!